Poesia Experimental Portuguesa Mostras e Exposições


A exposição Poesia Experimental Portuguesa traz pela primeira vez ao público brasileiro um panorama da poesia experimental produzida em Portugal desde os anos 1960 aos dias atuais. São cerca de 80 trabalhos de 18 artistas portugueses, perpassando seis décadas de produção poética em variados formatos e suportes: impressões, pinturas, caligrafias, fotografias, objetos, áudios e vídeos.

Reconhecida em outros países como concreta, visual, espacial ou intersemiótica, autodenominou-se, em Portugal, Poesia Experimental com o lançamento, em 1964, de revista de mesmo nome, a qual alcançou o seu segundo número em 1966. Dois acontecimentos antecederam a difusão dessa poética em Portugal: a rápida visita do poeta brasileiro Décio Pignatari a Lisboa em 1956; e a publicação em 1962, pela Embaixada do Brasil em Lisboa, de uma compilação da poesia concreta do grupo brasileiro Noigandres.

Desde então, uma rica produção poética se desenvolveu no país, dialogando com as artes gráficas, performáticas, sonoras e, mais recentemente, digitais. Embora influenciada de certa maneira pela Poesia Concreta brasileira, a poesia de caráter experimental portuguesa pouco circulou no Brasil. Apesar de compartilharem o uso da mesma língua e o apreço pelo experimentalismo visual, pouco se conhece desta rica produção de além-mar no país.

Na Poesia Experimental Portuguesa, destacam-se nomes como o de E. M. de Melo e Castro, Ana Hatherly, António Aragão, Salette Tavares, Silvestre Pestana, António Barros, Fernando Aguiar,  entre outros.

Tudo fizeram em poesia: poesia visual, poesia fonética, poesia cinética, videopoesia, fotopoemas, poemas-objeto.

O projeto inclui a publicação de um catálogo inédito com textos de Ana Hatherly, E. M. de Melo e Castro, Fernando Aguiar e Omar Khouri. Na abertura, haverá um bate-papo com o poeta português E.M. de Melo e Castro e performances de Fernando Aguiar e Silvestre Pestana.

POEX: Poesia Experimental PortuguesaFernando Aguiar. Ensaio para uma nova expressão da escrita, 1983



Artistas participantes:

Abílio-José Santos
Américo Rodrigues
Ana Hatherly
António Aragão
António Barros
António Dantas
António Nelos
César Figueiredo
E. M. de Melo e Castro
Emerenciano
Fernando Aguiar
Gabriel Rui Silva
Jorge dos Reis
José-Alberto Marques
Nuno M. Cardoso
Rui Torres
Salette Tavares
Silvestre Pestana


Ficha técnica:
Coordenação geral: Bruna Callegari
Produção executiva: Rafael Buosi
Curadoria: Bruna Callegari e Omar Khouri
Expografia: Espaço Líquido
Textos para catálogo: Ana Hatherly, Fernando Aguiar, E. M. de Melo e Castro
Coordenação editorial: Bruna Callegari
Projeto gráfico: Espaço Líquido
Reprodução de obras: Rafael Buosi
Print digital: Labô
Relações estratégicas: Ana Moraes Moreira
Tradução: Juliana Ribeiro de Melo e Juliana Godoy
Projeto e realização: Espaço Líquido


Agradecimentos pela cessão de imagens:

Arquivo Digital da Po.ex-net
Fundação Bienal de São Paulo
Fundação Calouste Gulbenkian
Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD)
Fernando Aguiar
E. M. de Melo e Castro
Silvestre Pestana


Exposição - Poesia Experimental Portuguesa

Local: CAIXA Cultural  Brasília – Galerias Piccola I e II (SBS Quadra 4 Lotes 3/4)
Abertura: 16 de outubro de 2018, às 19h
Visitação: de 17 de outubro a 16 de dezembro de 2018
Horário: de terça a domingo, das 9h às 21h
Entrada Franca
Classificação indicativa: livre para todos os públicos
Acesso para pessoas com deficiência
Informações: (61) 3206-9448 e (61) 3206-9449
Patrocínio: CAIXA e Governo Federal

VEJA O CATÁLOGO

Relacionados:
Abertura da exposição "Poesia Experimental Potuguesa" em Brasília
Embaixada de Portugal no Brasil recebe realizadores da Po.ex

Algumas obras em exposição

EM DESENVOLVIMENTO

Eu nasci aqui - Fotolivro

Eu nasci aqui - Fotolivro

Fotolivro da performance Eu Nasci Aqui da artista Samira Br.

Artéria - doc

Artéria - doc

Documentário resgata a cena da revistas experimentais de poesia que eclodiu na década de 1970, no Brasil.

Lore Koch

Lore Koch

Documentário traz a vida e obra de Lore Koch, discípula de Alfredo Volpi, com mais de 50 anos de pintura. Direção: Jorge Bodanzky